01/02/2016

E eu tenho uma Ângela

que me recebe todos os dias como se o tempo andasse para trás, e eu ficasse, a cada um deles, mais criança e mais precisada de atenção e mimo. Mas que ela devia saber que não é verdade, pois eu sou forte e façanhuda, fazendo feitos famosos. Pergunto-me se, ao contrário, me vê envelhecer, aquilo que eu não vejo por incapacidade de vistas longas e largas. Tem os rapazes treinados para o meu café de chávena cheia, sem açúcar [Miss Smile e Xilre, vamos fazer o clube dos poetas vivos?, e eu entro como membro não poeta, uma vez que o meu sector é só mesmo o do café, e de poesia só percebo o que a minha mãe me deu a beber, mas acho que não chega para ser honorária de coisa nenhuma — não por falha dela, sim por inépcia minha], a colherinha para o mexer, para fazer de conta que o arrefeço, para misturar a espuma com o líquido, para me injectar um pouco de níquel com a cafeína, logo a mim, que sou alergiquíssima a todos os metais, que até a comida de enlatados me faz alergia, não podia ser campista, e mais depressa morria de alergia se levasse um tiro do que de fazer as vezes de alvo propriamente dito. 
Faz-me uma festa no cabelo e pergunta-me:
- Então, estás bem, tu?
Porque a minha Ângela, embora só tenha mais uns quatro ou cinco anos do que eu, julga que tem mais trinta, e então trata-me assim, por tu, e com festas no cabelo. Ou então, diz-me:
- Devias pintar mais os olhos, hoje.
Porque a minha Ângela se acha minha mãe, e precisa de me dar conselhos acerca da forma como me apresento na rua. Não me deixa andar desleixada, e pode ser por isso que, mesmo que seja para ir ao café, componho a minha figurinha como se fosse apresentar-me à sociedade, ou mais ainda. 
- Hoje o almoço é favas — diz-me, quando o almoço são favas, porque sabe que eu sou a única, em casa, que gosto de favas —, vou-te guardar uma dose.


Outro dia, fui lá almoçar ao restaurante dela e, quando vinha a sair, ela veio atrás de mim e deu-me um saco de rebuçados que são os pedaços de neve, acho que adivinhou que eu gosto. Quando sabe que eu ando mais aflita com trabalho de não largar o computador, ou ele não me largar a mim, preocupa-se se eu tenho coisinhas para ir enganando a fome.
A minha Ângela tem um rapaz da mesma idade do meu, e recebe-mo lá em casa, para que ambos possam fingir que têm um irmão durante umas horas. Tem lá cama e lençóis de cama e toalha de banho, e dá-lhe pizzas, que ele gosta. Só pede mesmo que ele leve a escova de dentes. Ele leva, e depois esquece-se lá dela. 
Minha boca adoça.

[post drasticamente inspirado aqui e aqui.]

10 comentários:

  1. Há pessoas com sorte. Mas também há quem mereça. E quem mais, quem? Linda Blue, pois está visto. É um consolo poder contar assim com as pessoas. Eu tenho a senhora da mercearia que me arranja a verdura muito bem arranjadinha. É só lavar, cozer e comer. Abençoada. E se me esqueço de a ir buscar manda-me mensagens (sem chilreios :))) ).
    Beijinhos, boa noite.

    Nota : gosto de favas. as minhas colegas fazem-nas e dão-mas, já prontinhas. e farófias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São umas certezas pequeninas, que vamos semeando aqui e ali, a Ângela com as favas e aquele modo de falar comigo, a tua senhora da mercearia com a hortaliça arranjadinha. Olha, já nem saberíamos viver sem elas :)
      De alguma maneira, e por algum motivo, também mereces, Mia :)
      Boa noite. Beijinhos

      Nota: Ai, farófias, nem me lembres isso...

      Eliminar
  2. Que bom ter uma pessoa assim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São pessoas que nos adoptam, por motivos que nos escapam...

      Eliminar
  3. Eu também tenho uma D Ângela que me contou um dia, muito divertida, que macaquita lhe disse assim, "D. Ângela, tu não és gorda, só tens umas mamas muito grandes."
    Fiquei para morrer... mas ela não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande macaquita, sem filtro :)
      E grande D. Ângela, por tudo e pelo poder de encaixe :D
      (Está habituada, o espelho diz-lho)

      Eliminar
  4. E quem tem uma Ângela assim, tem tudo, não é?
    Quanto ao clube, não sendo poeta, poderia, de vez em quando, dar a minha colherada :)

    Um beijinho, querida Blue

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quem não gosta de mimos, ponha o dedo no ar :)
      Muito boas colheradas tenho eu ido colher lá ao seu espaço,Miss Smile :)

      Beijinhos, minha querida.

      Eliminar