19/05/2015

Pânico e tomates

Nunca como hoje tive a sensação de comandar ao leme um navio, em alto mar, mar revolto, mare nostrum.
Avisos luminosos ao longo da autoestrada VENTO | SEJA PRUDENTE. E eu a ser. No entanto, o boi a abanar como nunca, mas nada que, com maior ou menor experiência de condução, não se domine. Já fiz aquela autoestrada de noite, com chuva, com nevoeiro, com vento e com tudo junto (isso, acho que não, mas é possível). Para lá, a partir de Oeiras e, para cá, até Oeiras, nortada brava, praia do Guincho em dias de (mais ainda) monte de vendavais. 

No regresso, passada a parte mais crítica, boi controlado da fúria de Éolo, no final da curva que sai da A 5 para entrar na CRIL, nem me quero lembrar.
Ainda tenho a imagem nos olhos e o som nos ouvidos. A um metro e meio das rodas do meu carro, a uma velocidade de 80 ou 90 à hora, um gato deitado — mas a mexer-se, não sei se pelo impacto, ou por vestígio de vida —, acabado de atropelar pelo carro da frente. Antes de ter tempo de ter qualquer reacção, passei-lhe, também eu, por cima.

A seguir a isto, aconteceu-me aquilo que podia ter sido o meu fim: um ataque de pânico — numa via equiparada a autoestrada, e que não tem bermas de segurança. Ou seja, parar, nem pensar, abrandar é arriscado, pelo que percorri a CRIL toda, até chegar ao desvio para a segunda circular, a dominar a sensação de desmaio, mais falta de ar, mais tonturas. 


Eu sou a pessoa que já tirou dois miúdos do mar, certa de que — pelo menos, quanto a um deles — Este aqui não me levas, senão terás que me engolir a mim também, e eu sou muito mais indigesta. 

E sou também a que entra em pânico por ter atropelado um gato.

Aprendam comigo, que eu não duro sempre: diz-me a experiência que, se queres evitar desmaiar, a única coisa que pode reverter o processo é se conseguires chorar.

E foi isto: Linda Porca, não vais ter um acidente e arriscares morrer por causa de um gato! — Oh, mas era um gatinho... — Não, não era, era um gato adulto! — Oh, mas eu preciso de chorar um bocadinho, a ver se não desmaio... — OK, então pronto: era um gatinho. Agora chora, parva.

Chorei, chorei, chorei, toda a segunda circular afora, fiz o luto pelo gato, missa de sétimo dia, e não desmaiei, não me estoirei, nem morri. O gato, ao invés, morreu mesmo, pelo que esta já deveria ser a sua sétima vida.

[Agora vou dedicar-me aos biquinis, já volto]

14 comentários:

  1. Obrigada LP, até hoje tinha receio de ser a única alma a ter ataques de pânico com animais na estrada.
    Nunca atropelei nenhum, mas no lugar do pendura já passei por essa experiência. Uma raposa, um cão, um gato e até um pardal, e eu histérica, a soluçar, com suores frios e sem conseguir respirar. Enfim, exagero ou não, é como eu sou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu. Um simples pombo na estrada obriga-me a travar, a desviar, a abrandar. A ideia de tirar a vida a um animal panica-me. Ainda ontem me entrou um moscardo em casa e eu não o matei. Nem baratas mato (meto-as porta fora). Tenho sangue de barata :)

      Eliminar
    2. Esse sangue, só acredito se te estiveres a referir ao temperamento calmo ;) Caso contrário, eu diria que o que te circula nas veias é, sem dúvida, de natureza calorosa.

      Eliminar
    3. Isto é um desgaste... quando menos se espera, esfarrapam-se-nos os nervos no tempo de um fósforo :)

      Eliminar
  2. Hoje todo o concelho é Guincho, está completamente selvagem.
    LP quase me fizeste chorar, que cena horrível...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom a sério, deve estar lá, na praia do Guincho. Já nem imagino chapéus de sol a voar, mas pessoas e tudo. E os surfistas em kitesurf involuntário :)
      Que susto, este vai-me ficar :-|

      Eliminar
  3. Nunca atropelei nenhum animal (pelo menos que me tenha apercebido), mas já tive que me desviar de um gato. No entanto nunca comprometerei a minha segurança se isso implicar escolher entre ter um acidente ou bater no animal. A minha vida e a dos que vêm comigo no carro estão em 1º lugar.

    Dito isto, no teu caso e se tivesse sensação de desmaio acho que teria parado assim que tivesse entrado na CRIL. Tens lá uma especie de berma (que não é), mas metendo ali os 4 piscas a malta ía-te contornar ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, embora ali eu nem tivesse tido tempo de escolher. Ele estava literalmente debaixo da roda quando eu percebi do que se tratava. Ainda por cima, era tigrado de castanho e cinzento, só faltava ser da cor do asfalto...

      Verdade, também. Fui muito estúpida. E, imagina, pus-me a imaginar o que seria de mim se parasse o carro e desmaiasse lá dentro, sozinha, numa via daquelas. Só quem já vai muito tonta é que faz estes raciocínios.
      ;)

      Eliminar
  4. Cuidado! Como pessoa informada que parece ser e com o devido insight, estará ciente dos riscos que correu desnecessariamente...
    Perdoe-me o atrevimento do comentário

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora essa, não é atrevimento nenhum. Devo antes agradecer o seu cuidado.
      Desta vez, vejo a experiência como um aviso e uma aprendizagem. Provavelmente, não haverá próxima. Se houver, espero lembrar-me do que não fazer, ou seja, quase tudo o que fiz desta vez.
      Obrigada :)

      Eliminar
  5. Gatos um, coelhos uns 3/4, até pássaros já matei. Custa sempre. E o que mais custa é mentalizar-me que na maioria das vezes não me posso desviar pois isso seria acidente na certa...

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda me faltam 3 ou 4 coelhos e alguns pássaros, então :)
      Tenho que ir mais vezes ao Alentejo.
      Isso. Sem alternativa que não fosse ainda mais prejudicial para mim...

      Beijos

      Eliminar
    2. Por aqui tens uns extras. Raposas e javalis. Estes últimos são coisa para magoar a sério :-)

      Beijos

      Eliminar
    3. Javalis, dispenso :)
      Aqui há uns anos, houve uma época em que apareciam na A 1 com alguma frequência, e ainda morreu gente à custa deles. Lembro-me de uma miúda de Santarém, por exemplo. Aquilo é um porquinho que se transforma em boi, vade retro!

      Beijos

      Eliminar